Controle de estoque: Como fazer um controle eficiente? Controle de estoque: Como fazer um controle eficiente?

Controle de estoque: Como fazer um controle eficiente?

Controle de estoque

Controle de estoque: Como fazer um controle eficiente?

O controle de estoque é uma das áreas mais importantes de uma empresa. Portanto, ela merece atenção detalhada por parte dos gestores de qualquer tipo de negócio.

Tratar essa área como um mero depósito, sem o mínimo de planejamento, compromete seriamente as reposições de sua loja. Isso influencia negativamente o fluxo de operações.

Assim, seja para pequenos estabelecimentos ou mesmo para grandes empresas, gerir o estoque de modo eficaz é fundamental para garantir a rentabilidade do negócio. Por isso, a busca pela otimização de processos no controle de estoques, com objetivo de economizar tempo e dinheiro, tem sido cada vez mais constante nos dias de hoje.

Neste post, você verá 7 dicas para manter um controle de estoque eficiente em sua empresa. Confira!

1. Entenda o que é controle de estoque

O controle de estoque é utilizado para que o empreendedor veja de forma mais clara a quantidade de produtos que sua empresa dispõe. Esse conceito deve levar em conta três elementos fundamentais: 

  • registro de itens;
  • fiscalização;
  • gestão de entrada e saída.

O registro de itens nada mais é do que as classificações específicas de cada produto: 

A fiscalização serve para controlar melhor os produtos de uma empresa, evitando perdas ou extravios. Por fim, a gestão de entrada e saída permite otimizar investimentos em mercadorias armazenadas. Assim, é possível buscar mais equilíbrio com o ritmo de vendas.

O controle de estoque é utilizado, também, para analisar os produtos mais vendidos de uma loja. Da mesma forma, serve para ver os que têm menor saída.

2. Saiba como o controle de estoque impacta os resultados do negócio

O controle de estoque mantém os processos de negócio organizados. Essa atividade é estratégica e interfere em vários setores da empresa. Entre eles estão: 

  • comercial;
  • marketing;
  • financeiro;
  • compras;
  • produção.

Com as informações adequadas, é possível gerenciar as movimentações de entrada e saída de produtos, assim, ajudando a ter um controle do fluxo de caixa impecável. Da mesma forma, excessos e faltas são evitados, porque o excedente de mercadoria representa capital de giro parado, enquanto a ausência dela leva à perda de oportunidades.

Por tudo isso, o controle do estoque é um fator decisivo para o negócio. Além disso, ele também proporciona: 

  • otimização do espaço físico no estoque;
  • organização das compras;
  • comunicação mais eficiente entre os setores;
  • gestão de produção mais fluida;
  • capacidade de agregar valor aos produtos e serviços oferecidos;
  • redução de perdas, prejuízos e problemas.

3. Defina padrões e regras

Em primeiro lugar, o espaço destinado ao estoque de sua empresa precisa ser organizado e limpo. É fundamental que o local para cada produto esteja definido de acordo com os seus requisitos de armazenamento, ou seja: 

  • circulação de ar;
  • temperatura;
  • umidade, etc.

Também é muito importante fazer um controle rígido de entrada e saída para um bom gerenciamento de seu estoque. Isso facilita o planejamento estratégico dos produtos mais ou menos vendidos.

4. Estabeleça processos e responsabilidades

Um bom controle de estoque depende de diversos fatores, como: 

  • organização física;
  • atualização de informações;
  • relatórios de inventários;
  • fluxos de entrada e saída, entre outros.

É importante que essas etapas estejam bem definidas e, o mais importante, haja responsáveis definidos para cada uma delas. Dê preferência a profissionais organizados, experientes e, principalmente, de sua confiança.

5. Estipule volume mínimo e máximo para cada mercadoria

Outro passo importante para garantir um bom controle de estoque é definir o volume mínimo e máximo de cada mercadoria. Afinal, nem todos os produtos de sua loja são vendidos igualmente, certo?

Para definir esse volume, é necessário levar em conta: 

  • a procura dos clientes;
  • a velocidade da rotatividade (giro de estoque);
  • o preço pago;
  • o prazo de entrega dos fornecedores;
  • o tempo entre o recebimento do produto e sua entrega final aos clientes.

Busque o equilíbrio!

6. Faça queimas de estoque quando necessário

Em alguns casos, é comum que determinadas mercadorias não saiam tanto e fiquem encalhadas no estoque. Isso pode causar grande prejuízo para sua empresa, já que o espaço destinado a esses produtos poderia ser utilizado para armazenar outras mercadorias que vendem mais.

Nessas situações, uma queima de estoque pode ser muito útil: faça uma grande liquidação com os produtos parados e libere o espaço para mercadorias mais rentáveis!

7. Conheça os principais métodos para controle contábil de estoque

Existem vários métodos de controle de estoque. Eles podem ser gerenciados de forma manual, por planilha ou com um sistema específico. O ideal é optar por uma das duas últimas opções, já que elas trazem mais eficiência ao resultado.

Dentro desse cenário, os principais métodos utilizados são:

7.1. PEPS

É o “Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair”. Ele prevê o uso dos produtos conforme a ordem cronológica. Portanto, o mais antigo é retirado do estoque primeiro.

É um dos melhores métodos para empresas que trabalham com produtos perecíveis. Além disso, é uma boa opção para evitar desperdícios.

7.2. UEPS

Representa o Último a Entrar, Primeiro a Sair. Nesse caso, as mercadorias mais recentes são utilizadas com prioridade. Enquanto isso, as mais antigas ficam para trás.

A vantagem desse método é priorizar os produtos mais caros. Por outro lado, é um mau negócio para quem trabalha com perecíveis, já que eles podem estragar.

7.3. Custo médio

Também chamado de Média Ponderada Móvel ou Preço Médio Ponderado, esse método garante um monitoramento constante do estoque. Isso porque o cálculo de custos é refeito a cada compra feita pelo cliente.

Na prática, os custos do primeiro lote são somados aos do segundo lote. O resultado é dividido pelo total de mercadorias. O benefício de verificar o custo médio é utilizá-lo para cálculos de venda e de dedução do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

7.4. Just in time

É o método que prevê manter o estoque no seu nível mínimo. O cálculo deve considerar períodos de sazonalidade para evitar a perda de oportunidades de negócio.

Ainda requer um bom relacionamento com fornecedores. Assim, é possível repor os estoques com agilidade sempre que necessário. Porém, é uma boa alternativa para alcançar a redução de custos.

7.5. Curva ABC

A curva ABC de vendas, também chamado de análise de Pareto, divide os produtos de acordo com o giro e importância. Esse método identifica que 80% da receita da empresa vem de 20% das mercadorias.

Por isso, a divisão é feita em três grupos. São eles: 

  • grupo A: contém os principais produtos da empresa, que são os que apresentam mais lucratividade e faturamento. Eles têm um giro razoável;
  • grupo B: abrange as mercadorias com alto giro, mas com menos vendas do que os itens do grupo A. Essa categoria é a maior;
  • grupo C: contempla os produtos com menor giro e lucro. Por isso, deve ter uma quantidade menor no estoque.

Todas essas dicas ajudam a efetivar um bom controle de estoque. Assim, é possível aproveitá-las para alcançar melhores resultados e atender aos seus clientes com eficiência.

E aí? O que achou das nossas dicas? Você tem mais alguma recomendação para um controle de estoque eficiente? Conte-nos nos comentários abaixo!