estender-1000-palavras-balanco-patrimonial-entenda-a-importancia-para-sua-empresa.jpeg

(ESTENDER + 1000 PALAVRAS) Balanço Patrimonial: entenda a importância para sua empresa!

Para tomar decisões corretas e que alavanquem seus negócios, os empresários devem utilizar todas as informações disponíveis para isso, inclusive as contábeis. Entre elas, podemos citar a importância do balanço patrimonial para a tomada de decisão.

Esse relatório é um dos mais importantes entre as demonstrações obrigatórias que as empresas precisam emitir. Muitos administradores o veem apenas como uma exigência e não sabem utilizar seus dados para trazer vantagens à empresa.

Porém, os empresários mais bem-sucedidos conseguirão potencializar o desenvolvimento do negócio, corrigir suas falhas e, principalmente, destacar-se no mercado. Pois o balanço é uma ferramenta que demonstra a situação da empresa de forma clara e objetiva, além de gerar vários indicadores relevantes.

Neste post apresentamos a importância do balanço patrimonial para as empresas, seu conceito, sua composição, quais são os indicadores que ele gera, como analisá-lo e muito mais. Boa leitura!

O que é o balanço patrimonial?

O balanço patrimonial é uma das demonstrações contábeis obrigatórias para a maioria das empresas. Nele consta a situação líquida do patrimônio em um determinado período chamado de exercício social, que normalmente dura um ano.

De forma resumida, ele é dividido em duas colunas e considera tanto os termos qualitativos quanto quantitativos de diversos bens e valores relacionados ao setor financeiro e patrimonial da organização, como contas a pagar, recebíveis, créditos, bens duráveis, dívidas e muito mais.

Esses dados são utilizados para aprimorar o planejamento estratégico e financeiro da empresa, gerir o fluxo de caixa de modo mais assertivo e eficiente, posicionar-se melhor no mercado etc. Diante de tantas utilidades, é considerado como uma das demonstrações mais relevantes para a gestão de qualquer entidade.

Como é a composição do balanço?

A composição básica do BP está contida no artigo 178 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei n.º 6.404/76). De acordo com a norma, sua estrutura é formada por ativo, passivo e patrimônio líquido. No entanto, apenas com essas informações não é possível entender tudo o que elas significam.

Nessa demonstração aparecerá toda a riqueza que a empresa possui, assim como o valor que ela deve para terceiros. O ativo, que se encontra do lado esquerdo do balanço patrimonial, representa os bens e direitos da empresa, sendo que ele é separado em ativo circulante e ativo não circulante. Veja o que isso significa:

  • ativo circulante é composto pelas contas que estão constantemente em movimento, que podem ser transformadas em dinheiro rapidamente, como caixa, banco, aplicações financeiras em curto prazo, duplicatas a receber, entre outras;
  • ativo não circulante é composto pelas contas que possuem um tempo maior de duração, como aplicações financeiras em longo prazo, investimentos, imobilizado etc.

Já do lado direito do balanço são encontradas as obrigações da empresa com terceiros — que também são divididas entre circulante e não circulante. No passivo circulante estão as obrigações da empresa com terceiros — que serão no curso do exercício seguinte (até 31 de dezembro do exercício seguinte), no período de 12 meses.

No passivo não circulante estão as obrigações que ultrapassaram o período de 12 meses do exercício seguinte. Também do lado direito do balanço patrimonial encontra-se o patrimônio líquido, que é a representação das obrigações da empresa com os sócios e demonstra efetivamente o que a empresa possui.

Notas Explicativas

Além dos elementos básicos, existem as Notas Explicativas – NE, que são informações adicionais acopladas ao balanço patrimonial que não se enquadram nos critérios do relatório.

Resumidamente, são esclarecimentos de valores que não podem ser explicados apenas com a sua apresentação no BP. São eles:

  • investimentos em outras sociedades;
  • aumento de valor em ativos;
  • garantias a terceiros, contingentes, ônus reais (obrigações limitadas à fruição) etc.;
  • taxa de juros;
  • número, espécie e classes das ações;
  • opções de compra de ações;
  • ajustes de exercícios anteriores;
  • compra de ações;
  • eventos subsequentes à data de encerramento do exercício.

Essas observações são aplicáveis a qualquer demonstração contábil e têm a finalidade de evitar possíveis controvérsias nas análises das informações pelos administradores, fiscais ou investidores.

Quais são as funções do balanço patrimonial?

As funcionalidades do balanço são bastante amplas, pois ele evidencia tudo que uma empresa possui de forma qualitativa e quantitativa. Com essas informações, o administrador consegue visualizar de forma bastante clara a situação geral da empresa ou uma conta específica. Entre as possibilidades fornecidas estão:

  • conhecer precisamente os bens, direitos e obrigações em um determinado período da empresa;
  • avaliar as necessidades financeiras e operacionais do negócio, por exemplo, quais obrigações são mais onerosas e precisam ser quitadas mais rapidamente;
  • entender as fontes de recursos e despesas, o que permite maximizar a receita e reduzir gastos;
  • determinar o desempenho da empresa ao longo dos anos, por meio da evolução histórica do BP;
  • auxiliar na elaboração dos planejamentos estratégicos, fiscais e tributários;
  • estimar o valor da empresa, seja pelos seus ativos ou pelo patrimônio líquido;
  • determinar precisamente o pagamento dos dividendos dos sócios e acionistas;
  • fornecer informações úteis ao governo, investidores e outros interessados.

Sua elaboração é obrigatória?

São várias as normas que trazem a obrigatoriedade da apresentação do balanço patrimonial de uma empresa. Uma delas é o artigo 176 da Lei das Sociedades Anônimas. Outra norma que traz sua exigência é o Código Civil Brasileiro de 2002, especificamente em seus artigos 1.065, 1.179 e o inciso II do artigo 1.186, que mencionam a obrigatoriedade do seu levantamento anual.

Além disso, o balanço é obrigatório para participações em licitações públicas, conforme o inciso I do artigo 31 da Lei n.º 8.666/93. Essa norma exige a apresentação do balanço patrimonial e as demonstrações contábeis do último exercício social (período entre medições).

É importante saber que todas as empresas, exceto as que se enquadram como MEI (microempreendedor individual) ou como optantes do Simples Nacional, devem elaborar esse instrumento.

Qual é a importância do balanço patrimonial?

Não apenas pela sua obrigatoriedade, o balanço patrimonial é uma peça-chave para os usuários internos — pois é por meio dele que é feita a tomada de decisões — e também para os usuários externos — tanto investidores quanto instituições financeiras.

De posse dessa demonstração contábil é possível analisar a situação financeira da empresa e saber de que forma está sendo aplicado seu dinheiro. Com essa demonstração, o gestor pode verificar a capacidade de pagamento da sua empresa, se consegue ou não honrar com seus compromissos.

Independentemente do porte da empresa, o balanço patrimonial apresenta informações econômicas e financeiras. Portanto, é por meio dele que é possível analisar a liquidez e a solvência das instituições.

A liquidez demonstra a capacidade da empresa de pagar as suas dívidas com terceiros, enquanto a solvência é a análise da situação da empresa a longo prazo.

Quando falamos em índices econômicos, nos referimos a rentabilidade, produtividade e rotatividade. A rentabilidade representa a forma com que a empresa gera lucros a partir do capital investido. A produtividade é a análise da produção de bens e vendas. Já a rotatividade é a forma como se movimentam as contas do patrimônio — as contas a receber, o estoque, entre outros.

De nada adianta ter um imobilizado de alto valor, por exemplo, e não possuir dinheiro em caixa, pois certamente isso prejudicaria seu capital de giro. 

As empresas que não possuem um BP podem ter as seguintes consequências:

  • impossibilidade de usar seus dados para se defender em processos fiscais ou tributários, pois o relatório constitui prova relevante em diversos casos;
  • impossibilidade de avaliar a performance do negócio considerando a competência;
  • dificuldade de levantar os haveres de seus sócios caso saiam do negócio, entre outros pagamentos;
  • dificuldade de realizar a recuperação judicial quando for necessária, pois é obrigatório conforme a Lei n.º 11.101/05.

Quais são os principais indicadores que ele gera?

O BP pode funcionar como um indicador de desempenho – KPIs da empresa. Esses indicadores consistem em medições realizadas em uma especificidade da empresa antes e depois da tomada de decisões.

Com suas aplicações, os gestores sabem se as medidas tomadas estão gerando os resultados desejados na empresa. Caso não estejam, podem rapidamente mudar suas estratégias para alcançar seus objetivos. 

O balanço pode funcionar como indicador em diferentes formas, confira as principais a seguir.

Margem de lucro líquida

Indica, em valores líquidos, quanto o negócio gera com cada produto vendido ou serviço prestado. Seu cálculo é feito da seguinte forma: Faturamento Total / Resultado Líquido Final. Multiplica-se o resultado final por 100 e se obtém o percentual da margem líquida.

Taxa de crescimento do retorno

Como o nome indica, demonstra a taxa de crescimento dos lucros. Sua funcionalidade é evidenciar se o retorno financeiro está aumentando ou reduzindo conforme os anos passam.

Retorno sobre o patrimônio

Esse indicador evidencia o percentual do lucro que é gerado ao negócio pelo capital social e outros investimentos realizados ao patrimônio. Sua conta é a seguinte: Patrimônio do Balanço / Faturamento Líquido da Empresa.

Retorno sobre ativos

Demonstra o retorno financeiro obtido pelos ativos, como veículos, imóveis, equipamentos, bens móveis, imóveis e outros. Na sua conta é possível usar apenas parte da receita ou somente um elemento do ativo.

Por exemplo, uma empresa que oferece carros aos vendedores externos pode dividir a quantia total de contratos fechados pelo valor dos carros utilizados pelo vendedor, mas também pode dividir o total faturado pelo investimento feito no patrimônio. Porém, essa última conta envolve fatores mais complexos, como o retorno sobre o investimento.

Índice de endividamentos

Esse índice é calculado da seguinte forma: Passivos de Curto Prazo + Passivos de Longo Prazo / Total de Ativos. Multiplica-se o resultado por 100 e se obtém o índice percentual de endividamento. Quanto menor for o valor, melhor será a situação da empresa. Se ele estiver muito alto, será preciso reavaliar a empresa para reduzir o endividamento.

Como posso analisar um balanço patrimonial?

Um balanço patrimonial pode ser o resumo da empresa, entretanto, ele é recheado de informações bastante valiosas para o gestor. Por essa razão, seu conteúdo pode ser de difícil compreensão para alguns. Veja as quatro principais dicas de como estudar o BP do seu negócio.

Saiba quais são os seus elementos

Será preciso conhecer os conceitos de ativo, passivo e patrimônio, como também saber como identificá-los no BP.

Entenda a sua estrutura

Sua estrutura é simples. São duas colunas, do lado esquerdo estão presentes os ativos e suas respectivas especificações quantitativas e qualitativas.

Já do lado direito estão presentes os passivos, separados conforme a natureza e quantificações monetárias. Ainda desse lado, porém após os passivos, está o Patrimônio Líquido, que evidencia contas como capital, reserva de lucros etc.

Analise seu aspecto financeiro

Nessa análise o gestor identifica os aspectos financeiros do BP:

  • liquidez: capacidade efetiva da empresa de quitar seus compromissos com terceiros;
  • solvência: situação da empresa, considerando a possibilidade de sua falência a curto, médio ou longo prazo.

Analise seu aspecto econômico

Aqui, o gestor busca os seguintes elementos no BP:

  • rentabilidade: capacidade de gerar lucros;
  • produtividade: capacidade de produção de bens e de venda da empresa;
  • rotatividade: capacidade de rotação dos elementos patrimoniais, como itens em estoque e contas a pagar ou a receber.

Por que é necessário procurar um bom contador?

A ajuda de um contador é fundamental. Não apenas por ser o profissional contábil responsável pela elaboração do balanço patrimonial, mas também por ser ele a ligação entre os gestores e a contabilidade.

É nesse relatório contábil que estão todas as informações da empresa, por isso é função do contador estar atento às obrigações da empresa quanto à divulgação dessas informações. Também é imprescindível que os profissionais da área contábil trabalhem de forma a ajudar seus clientes a entenderem os termos específicos da área.

Portanto, o contador atua como um grande aliado na tomada de decisões do administrador. Auxilia a evitar sua falência, maximizar seus lucros, reduzir as despesas, entre outras inúmeras mudanças que podem gerar diferenciais competitivos.

A importância do balanço patrimonial vai muito além de uma simples obrigatoriedade legal. Esse relatório é uma ferramenta capaz de garantir a sobrevivência no mercado e acelerar o crescimento da empresa. Entretanto, é fundamental ter ao seu lado um profissional experiente, capacitado e dedicado.

Quer receber conteúdos como este diretamente em seu e-mail? Basta assinar a nossa newsletter! É gratuito!

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *